MUSCULAÇÃO & SAÚDE

quarta-feira, 1 de julho de 2009

Txt BrOffice

Benefícios da Musculação


Musculação e emagrecimento

É basicamente assim uma sala de musculação, que para muitos causa certo medo. Parece estranho ver tanta gente fazendo movimentos repetitivos, sem animação, apenas para moldar seus corpos. . Mas isso é apenas uma visão crua do trabalho que essas máquinas são capazes de oferecer, principalmente para obter força muscular, resistência, boa postura, ou seja, um bom preparo físico .





Já se acreditou que, para emagrecer, eram eficientes apenas as atividades aeróbicas, como corrida, pedalada ou caminhada por mais de 30 minutos. Atualmente sabemos que um bom trabalho de emagrecimento inclui a musculação combinada a exercícios aeróbicos e uma respiração aplicada, os quais usam a gordura como fonte de energia. A importância da musculação é exatamente aumentar a quantidade de fibras musculares do corpo, o que vai significar queimar mais calorias. Cada quilo de músculo consome cerca de 35 calorias por dia em repouso, enquanto 1 quilo de gordura gasta apenas 6 calorias. Com mais músculo e menos gordura, o corpo gasta mais calorias para se manter.
Emagrecer não é perder peso, e sim diminuir a quantidade de gordura no corpo. Perder peso é baixar o peso na balança e isso pode ser feito perdendo massa muscular e em alguns casos até ganhando gordura. Por isso, se após alguns meses de musculação e atividade aeróbica você mantiver seu peso, não desanime. Pode ter certeza de que você emagreceu: ganhou massa muscular e perdeu gordura. Por isso o peso não se alterou. A boa notícia é que essa é a maneira saudável de emagrecer.
Além de auxiliar no emagrecimento, a musculação auxilia no controle da pressão
Embora alguns médicos acreditem que atividades aeróbicas sejam mais adequadas para hipertensos, pesquisas feitas nos últimos anos concluíram que a musculação pode ajudar a reduzir a pressão arterial.
Uma análise de 11 exames clínicos -que compararam 182 adultos praticantes de musculação várias vezes por semana e 138 não praticantes, publicada no periódico "Hypertension", observou que a musculação diminuiu a pressão sanguínea sistólica em até 2% e a diastólica em cerca de 4%.
Outro relatório da American Heart Association revelou que duas ou três sessões de levantamento de peso por semana com exercícios de flexões e pressões são suficientes para diminuir a pressão arterial.
"A musculação pode trazer dois tipos de benefício", diz o ortopedista Samir Salim Daher, pesquisador em medicina esportiva do Instituto de Assistência Médica ao Servidor Público Estadual.
Segundo ele, a atividade desenvolve os músculos, que passam a necessitar de menos oxigênio para manter suas células. O resultado se reflete no coração, que precisa trabalhar menos. Além disso, o praticante da musculação, assim como adeptos de outras atividades físicas, torna-se mais ativo. No entanto, para o cardiologista Carlos Alberto Machado, diretor do Departamento de Hipertensão da Sociedade Brasileira de Cardiologia, a prática tem resultados limitados e controversos em hipertensos. "A musculação reduz a pressão arterial, mas o problema com os exercícios anaeróbicos é que o oxigênio fornecido durante a atividade é menor do que o necessário. Por isso, precisam de supervisão", afirma. Mas é importante que o hipertenso faça exercícios regularmente

.
A bibliotecária Elisabeth Franco Biondo, 52, descobriu que é hipertensa há 15 anos. Na ocasião, o cardiologista sugeriu a ela que fizesse caminhadas, mas, depois que seu ginecologista indicou a musculação para prevenir a osteoporose, Elisabeth optou pela modalidade. Mesmo tomando medicamentos de controle diariamente, pratica musculação há dez anos, três vezes por semana.
Segundo Samir Salim Daher, quando as avaliações físicas são feitas adequadamente, a musculação não traz risco para hipertensos. O teste realizado quando o aluno procura a academia identifica o limite cardiovascular máximo em que uma pessoa pode se exercitar. A partir disso, trabalha-se entre 60% a 70% dentro desse intervalo. "Portanto, existe um limite de segurança", afirma.
Quem tem hipertensão deve fazer um programa de atividade física da mesma maneira que o resto da população. A restrição que ele sofrerá é a mesma: não passar do seu limite, completa Daher. Folha de São Paulo 08/05/2009 Com The New Work Times
A prática de atividade física reduz as chances e os índices de queda de idosos. Uma meta-análise da Cochrane Collaboration (rede global dedicada a revisão e análise de pesquisas na área da saúde), que analisou 111 artigos científicos e dados de mais de 55 mil pessoas, constatou que um programa de exercícios realizados em casa ou em grupo e tai chi chuan são mais eficazes para prevenir tombos do que mudanças na casa e uso de suplementos de vitamina D.
Quedas são frequentes nessa faixa etária. Em geral, 30% das pessoas saudáveis com mais de 60 anos caem durante um ano. Acima dos 80 anos, a taxa sobe para 40%. "As quedas são mais perigosas porque os ossos estão mais frágeis. O reflexo é menor na terceira idade, e há mais tendência a fraturas. Além disso, a cicatrização é mais lenta e complicada", diz o ortopedista Moisés Cohen, professor e chefe da residência de medicina esportiva da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo)Folha de São Paulo 08/05/2009 Com The New Work Times.

Levantamentos mostram que 11% das quedas geram uma lesão muito importante. Os outros 89% têm uma sequela danada: as pessoas ficam com medo de cair de novo e isso restringe as atividades. A família fica em cima, superprotege; com isso, o idoso se movimenta menos, perde-se tônus muscular e a pessoa cai de novo, criando um círculo vicioso.Só na cidade de São Paulo, por exemplo, 2.261 idosos foram internados de janeiro a novembro de 2008 por fratura de fêmur -a queda acidental foi responsável por 93% dos casos.
A partir dos 40 anos, o organismo tende a trocar massa muscular por tecido adiposo (gordura), e esse processo é intensificado após os 60, sendo pior entre idosos sedentários. A perda de musculatura compromete o equilíbrio nessa faixa etária, pois um dos fatores de risco mais importantes para queda é a fraqueza das pernas. "Quando o aperto de mão é fraco, é possível ter noção de que a capacidade muscular de todo o corpo está prejudicada".
A falta de exercícios e de flexibilidade faz com que o idoso passe a andar com os joelhos levemente flexionados, e isso altera seu centro de equilíbrio.


video

quarta-feira, 6 de maio de 2009

Atividade Física faz bem mas NADA DE EXAGERO!!!



exercício começa a fazer mal para o corpo quando...
• a carga para o corpo fica tão pesada e é repetida com tanta freqüência que há um aumento exagerado dos níveis do hormônio cortisol, responsável pelos sintomas físicos típicos do stress – os mais perigosos deles são o aumento da pressão sanguínea e o enfraquecimento do sistema imunológico;
• a serotonina e a endorfina produzidas pelo corpo durante a malhação são as únicas fontes de prazer da pessoa, que, fora isso, vive em constante melancolia – com sono e sem apetite para comida e até para o sexo.

...e começa a atrapalhara vida quando a pessoa...
• abandona atividades que antes lhe davam prazer e compromissos sociais para ganhar mais tempo na academia;
• encurta as viagens de passeio para voltar logo ao regime de exercícios;
• se irrita com os comentários de que ela malha demais;
• desobedece aos médicos e ignora lesões para não sair da forma;
• se submete a dietas protéicas radicais e se entope de suplementos;
• nunca acha que está na forma física ideal;
• considera sedentário o resto da humanidade;
• deixa de malhar um único dia e acha que pôs todo o trabalho físico a perder, sentindo-se gorda e fraca.

VIVA O PERSONALFátima: aos 48 anos, regime de malhação integral e zero de flacidez. "Quem me olha jura que tomo mais do que suplementos", diz. "Até já fiz exame de sangue para provar que não"

Leia a reportagem sobre o assunto.
Musculação na 3° Idade


De acordo com projeções da OMS e IBGE, ao final deste século será comum viver de 100 à 120 anos. Mais do que quantidade é necessário viver com qualidade. E o exercício físico contem um dos segredos do envelhecimento saudável, assim como a alimentação balanceada e atividade mental. Ao perguntar para uma pessoa com mais de 65 anos se ela iria para a academia, as respostas mais frequentes podem ser: “Não tenho tempo!”, “Estou muito velho, vou me machucar! ou “Tenho vergonha de ir para uma academia onde só há gente jovem!”


Esta não foi a resposta dada pelo aposentado Clóvis Coqueiro, 84, ao convite feito por um amigo para frequentar as aulas de musculação da Academia Viva Água. Após 3 anos de exercícios ele conta como percebe as melhorias.“Está comprovado que a musculação me deu êxito. Não é por isso que vou deixar de morrer, mas estou inegavelmente melhor. Fazer musculação é não sentir dor e ter disposição. Já estou plantando meus frutos”, afirma.

Para evitar a vergonha, levantar a auto-estima dos idosos e trazer a sociabilidade que só contribui para o desenvolvimento mental. Os alunos da 3ª idade da academia treinam junto com os jovens e adultos.O diferencial está no programa feito por eles como explica a profissional de Educação Física da Academia Viva Água, Zaineana Freitas. “Não existem exercícios proibidos mas eles têm devem ser adequados para cada corpo e suas limitações. O aluno no início passa por uma adaptação e depois começa a desenvolver treinos mais fortes”, explica.Freitas acrescenta que o condicionamento físico, nesta faixa etária, recupera força e massa muscular, flexibilidade, equilíbrio, percepção e coordenação, que naturalmente diminuem com a idade.



A geriatra do UDI Hospital, Jacira Serra, ressalta que os exercícios quando bem orientados só trazem melhorias e faz recomendações a quem desejar iniciar. “Ninguém deve começar um programa de treinamento sem avaliação física.É necessário passar uma equipe multiprofissional formada por geriatra, nutricionista, cardiologista, fisioterapeuta e educador físico”.Além do bem-estar físico e da melhora médica, os alunos festejam as novas amizades e a sociabilidade readquirida por meio do convívio em grupo.Recentemente foi divulgada uma pesquisa feita pela universidade sueca de Uppsala com 2.200 homens. O estudo comprovou que os indivíduos que começaram a praticar exercícios físicos intensos ou moderados depois dos 50 anos. Após um período regular de prática atingiram as mesmas possibilidades de uma vida saudável, se comparados aos indivíduos que se exercitam desde cedo.

quarta-feira, 25 de março de 2009

10 motivos para começar a pedalar!!

1. emagrece
Andar de bike é um exercício aeróbico, portanto queima calorias. O valor exato varia de acordo com o peso, a altura, a idade e o ritmo de cada pessoa. Mas a média é de 400 calorias por hora (para uma mulher com 60 quilos).

2. aumenta o fôlego
Quando você mexe o corpo, todo o organismo, especialmente os músculos, pede por oxigênio, que é o catalisador que transforma a glicose em energia. Aí os pulmões são obrigados a trabalhar mais rápido para garantir o suprimento dessa substância e a expulsão do gás carbônico (o resultado tóxico da reação). Quem pedala habitua os pulmões a essa sobrecarga.

3. deixa as pernas torneadasA musculatura dessa região é bem solicitada durante a pedalada. Resultado: coxas firmes e panturrilhas trabalhadas. O aumento de massa muscular, no entanto, é discreto – nada que se iguale a um treino de musculação. Mas como andar de bike também queima o excesso de gordura, a definição fica evidente.

4. exercita a cabeça
O momento em que você está em cima da bike é aquele em que as grandes idéias surgem. Esse fato tem tudo a ver com o exercício. Fazer uma atividade aeróbica regular gera uma melhora significativa da memória e de outras habilidades mentais. Porém, isso regride quando você pára de se exercitar.

5. economiza dinheiro
Ao trocar o carro pela bike, você deixa de gastar uma tremenda grana com combustível. Isso significa um bom saldo na conta bancária.

6. alivia o stress
Como qualquer outro exercício, pedalar estimula a produção de endorfina, neurotransmissor que dá a sensação de bem-estar. Ou seja: ao final da pedalada, você vai ganhar uma tremenda disposição para enfrentar o dia-a-dia.

7. ajuda a salvar o planeta
Um dos gases responsáveis pelo efeito estufa é o dióxido de carbono (CO2 ). E a maior parte dele vem da queima de combustíveis. Esse gás, quando presente na atmosfera, forma uma barreira, impedindo que a radiação solar refletida pela superfície da Terra volte para o espaço – criando, assim, o efeito de uma estufa. Com isso, as temperaturas do ar, dos oceanos e dos lagos aumentam e as funções dos ecossistemas começam a mudar. Segundo especialistas, já existe um volume de CO2 na atmosfera que vai afetar a nossa vida por mais de 100 anos. Ao andar de bike, você não lança dióxido de carbono, ajudando a reduzir as concentrações do gás e deixando o planeta menos poluído.

8. previne doenças

Se pesquisar a respeito das vantagens de praticar um esporte regularmente, vai perder alguns dias de tantos estudos que existem... Quem pedala mantém o organismo ativo e não deixa que vários mecanismos enferrugem. Você fica resistente a várias doenças, como osteoporose e problemas cardíacos.

9. dribla os congestionamentos
A bicicleta é o segundo meio de transporte mais rápido nas grandes cidades na hora do rush, perdendo apenas para a moto. Mas é preciso ficar atenta às normas de segurança para circular no meio do trânsito (veja no site).

10. facilita conhecer a cidadePresa dentro do carro, você nem imagina quanta coisa bacana é possível encontrar nas ruas e avenidas da região onde mora. Sentada na bicicleta, além de sentir aquele vento gostoso no rosto, que dá sensação de liberdade, seu campo de visão se amplia e você consegue visualizar melhor o ambiente.


Um investimento no corpo do futuro

A importância da musculação não se restringe ao preparo do corpo para as atividades aeróbicas. Em si, ela é uma excelente aliada dos que pretendem investir na saúde e no corpo a longo prazo. Os exercícios com peso agem contra a perda de massa muscular e óssea que ocorre com o envelhecimento. Ao preservar a força e a coordenação, estamos garantindo uma velhice mais independente e menos vulnerável a quedas e fraturas. E como toda prática esportiva, é bom que se tenha o acompanhamento de um profissional. O cuidado com o tipo de movimento, as cargas de pesos, as seqüências, tudo deve ser adequado individualmente. O contrário do benefício nesse tipo de atividade pode ser uma lesão grave.

Por Renato Dutra